sábado, 31 de julho de 2010

Beleza escondida

A minha poesia não precisa ser perfeita
Não precisa rimar, nem falar de amor
Eu falo do que me der vontade, sem espreita
Rimou por acaso, por forças maiores

Mas por mais feia que seja
A poesia tem o seu pingo de verdade
Fala da vida, do sentimento
Mostra à que veio
Não exatamente, de um jeito devagar
Que te faz pensar

Te envolve, com palavras emolduradas
Delicadezas, você sabe
E por mais feia que seja
A poesia vira artefato

É obra perfeitamente acabada
Mostra um arranjo promissor
E o que era feio já não é mais
A poesia agora é linda!

Nenhum comentário:

Postar um comentário