quarta-feira, 3 de novembro de 2010

O valor que eu não dei

Se tudo mais passou
ficou pra trás em tom de despedida
por que minha mente
tão deprimida
teima em culpar-se

esses passados inglórios
que afligem minhas noites
vozes desorientadas
que só sabem me falar de maldades

abre-me teus caminhos
eu quero passar sem me preocupar
me despedir dessa lágrima
que escorre sozinha
involuntária

oh! maldito valor que faltou
cicatriz que não fecha
espinho que não sai
dizer-te-ei que amei
que sofro
mas que quero sua felicidade

me falta até hoje a companhia
a graça de estar perto
do orgulho e da humildade
caráter indócil de um coração
mas deixa-me, vença aí em cima

um dia eu quero voltar
saber o que aconteceu aqui
aprender o dom de rir
de uma coisa que já se foi
e me mata de saudade
a cada dia, sem penar

eu transformo minhas dores
em lindas flores
me imagino rodeado de anjos
a minha vida não quer ser sinal de perigo
pra'queles que querem partir

se queres me deixar, que vá
a paisagem desabrochou em nuvens brancas
e o que eu quero mesmo
é PAZ.

Nenhum comentário:

Postar um comentário